Frente Parlamentar Estadual da Coleta Seletiva
Coordenação: Deputado João Antonio (PT)
Assembléia Legislativa de São Paulo

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Aprenda a reciclar óleo de cozinha

Muitos bares, restaurantes, hotéis e residências ainda jogam o óleo utilizado na cozinha direto na rede de esgoto, desconhecendo os prejuízos dessa ação. Independente do destino, esse produto prejudica o solo, a água, o ar e a vida de muitos animais, inclusive o homem.



Quando retido no encanamento, o óleo causa entupimento das tubulações e faz com que seja necessária a aplicação de diversos produtos químicos para a sua remoção. Se não existir um sistema de tratamento de esgoto, o óleo acaba se espalhando na superfície dos rios e das represas, contaminando a água e matando muitas espécies que vivem nesses habitats.
Dados apontam que com um litro de óleo é possível contaminar um milhão de litros de água. Se acabar no solo, o líquido pode impermeabilizá-lo, o que contribui com enchentes e alagamentos. Além disso, quando entra em processo de decomposição, o óleo libera o gás metano que, além do mau cheiro, agrava o efeito estufa.
Despejo correto de óleo
Para evitar que o óleo de cozinha usado seja lançado na rede de esgoto,  cidades, instituições e pessoas de todo o mundo têm criado métodos para reciclar o produto. As possibilidades são muitas: produção de resina para tintas, sabão, detergente, glicerina, ração para animais e até biodiesel.
Esse tipo de combustível já está sendo largamente desenvolvido em todo o mundo. Aqui no Brasil, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) em parceria com a Bayer premiou uma pesquisa da Universidade de São Paulo (USP) sobre produção de biocombustível a partir do óleo de cozinha. A premiação ocorreu em 2007, durante o projeto Jovens Embaixadores Ambientais.
O projeto Biodiesel em casa e nas escolas também conta com a participação de universitários, escolas e empresas que já ajudaram a coletar mais de cem toneladas de óleo de cozinha para ser transformada em combustível 100% renovável.
leia mais

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Garrafa pet que poluía rios é usada na construção de casas


Com custo menor que a construção de alvenaria comum, modelo já foi exportado para o Maranhão

Publicação: 30/05/2012 15:59 Atualização: 01/06/2012 13:35

De acordo com o relatório da ONU para a economia verde, a reciclagem, em todas as suas formas, emprega 12 milhões de pessoas somente em três países (Brasil, China e Estados Unidos). Entretanto, o Brasil gerou, em 2011, 61,9 milhões de toneladas de resíduos sólidos, 1,8% a mais do que no ano anterior. O mais grave é que, do total coletado, 42% do lixo são jogados em local inadequado, segundo o Ministério do Meio Ambiente, sendo que 10% de tudo que é gerado acaba em terrenos baldios, córregos, lagos e praças. 

A situação não era diferente em Tarumirim, município de sete mil habitantes do Vale do Rio Doce. Era comum ver lixo, principalmente garrafas pet, jogado em lotes vagos e na beira de córregos. 

terça-feira, 26 de junho de 2012

Programa Cidade Sustentáveis


Veja o balanço das atividades do Programa Cidades Sustentáveis


Uma grande rede de organizações da sociedade civil está aproveitando as eleições municipais de 2012 para colocar a sustentabilidade na agenda da sociedade, dos partidos políticos e dos candidatos. Neste sentido foi lançado o Programa Cidades Sustentáveis que oferece aos candidatos uma agenda completa de sustentabilidade urbana, um conjunto de indicadores associados a esta agenda, enriquecida por casos exemplares nacionais e internacionais como referências a serem perseguidas pelos gestores públicos municipais. O programa é complementado por uma campanha que tenta sensibilizar os eleitores a escolher a sustentabilidade como critério de voto e os candidatos a adotar a agenda da sustentabilidade.
Programa Cidades Sustentáveis tem o objetivo de sensibilizarmobilizar e oferecer ferramentaspara que as cidades brasileiras se desenvolvam de forma econômica, social e ambientalmentesustentável. São grandes os desafios e, para sermos exitosos em ações que contribuam com asustentabilidadeserá necessário o envolvimento de cidadãosorganizações sociaisempresas e governos.


segunda-feira, 25 de junho de 2012

o que é Agenda 21?





Documento consolidado como diretriz para a mudança de rumos no desenvolvimento global para o século 21. Foi formulado como um grande plano de ação, por esforço de múltiplos atores, e divulgada para adesão durante a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada no Rio de Janeiro, em 1992, conhecida como ECO-92. Contém diretrizes para a promoção do desenvolvimento sustentável, passíveis de serem implementadas por qualquer órgão, organização ou governo engajados no movimento da sustentabilidade. A Agenda 21 pode servir para embasar um processo de planejamento participativo em prol de um futuro sustentável. Esse planejamento deve envolver todos os atores relevantes e ensejar a formação de parcerias e compromissos para a solução de problemas relacionados ao desenvolvimento econômico e social e à proteção ambiental, em curto, médio e longo prazos. A análise e o encaminhamento de projetos ou programas embasados na metodologia da Agenda 21 devem ser feitos dentro de uma abordagem integrada e sistêmica das dimensões econômica, social, ambiental e político-institucional.

Prédio Sustentável


Gestão com compromisso com a Sustentabilidade

A Prefeitura da Estância Turística de Itu irá inaugurar seu novo Centro Administrativo Municipal. Será o  Primeiro Prédio Sustentável da America Latina.  A solenidade acontece no dia 27 de Junho 2012, a partir das 17:30, na Avenida Itu 400, Novo Centro-Itu-SP.
O Deputado Estadual João Antonio parabeniza os cidadãos de Itu pela grande contribuição para o meio ambiente!

RIO + 20


Aprovado documento final da Rio+20 que será levado aos chefes de Estado



A plenária das delegações internacionais, reunida no Riocentro, aprovou o rascunho do documento final da Rio+20 elaborado durante a madrugada e que será levado aos chefes de Estado e de Governo, a partir de amanhã. O documento tem uma redação generalista sobre investimentos e metas.
O ministro da Relações Exteriores, Antonio Patriota, comandou a votação, que teve também a presença do secretário-geral da ONU para a Rio+20, Sha Zukang, da ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e dos embaixadores André Corrêa do Lago e Luiz Alberto Figueiredo.

O chefe de Comunicação das Nações Unidas na Rio+20, Nikhil Chandavarkar, disse que o texto foi aprovado sem alterações, apesar de alguns países terem demonstrado descontentamento com alguns pontos. “Os chefes de Estado têm direito de mudar o texto, mas os países já deram suas posições [com os negociadores], por isso acho difícil que haja mudanças.”
Entre os pontos de divergência do documento estavam a questão do fortalecimento do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), já que alguns países defendiam a sua elevação ao status de agência, o que não foi acertado.


sexta-feira, 22 de junho de 2012

O APROVEITAMENTO E A RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO




A quantidade de entulho gerada nas cidades brasileiras é muito significativa e pode servir como um indicador do desperdício de materiais.
Os resíduos de construção e demolição consistem em concreto, estuque, telhas, metais, madeira, gesso, aglomerados, pedras, carpetes, etc. Muitos desses materiais e a maior parte do asfalto e do concreto utilizado em obras podem ser reciclados. Esta reciclagem pode tornar o custo de uma obra mais baixo e diminuir também o custo de sua disposição.
O entulho muitas vezes é gerado por deficiências no processo da construção, como falhas ou omissões na elaboração dos projetos e na sua execução, má qualidade dos materiais empregados, das perdas no transporte e armazenamento, má manipulação por parte da mão de obra, além da substituição de componentes pela reforma ou reconstrução. A melhoria no gerenciamento e controle de obras públicas e também trabalhos conjuntos com empresas e trabalhadores da construção civil podem contribuir para atenuar este desperdício.
Na maioria das vezes, o entulho é retirado da obra e disposto clandestinamente em locais como terrenos baldios, margens de rios e de ruas das periferias. O custo social e ambiental disto foge aos controle dos cálculos, apesar de suas conseqüências serem permanentemente notáveis. Percebe-se a degradação da qualidade de vida urbana em aspectos como transportes, enchentes, poluição visual, proliferação de vetores de doenças, entre outros. De um jeito ou de outro, toda a sociedade sofre com a deposição irregular de entulho.
O entulho é um resíduo de grande volume, ocupando portanto muito espaço nos aterros; seu transporte, em função não só do volume mas do peso, torna-se caro. A reciclagem e o reaproveitamento do entulho é, portanto, de fundamental importância para o controle e minimização dos problemas ambientais causados pela geração de resíduos.
DIFERENTES APLICAÇÕES
As propriedades de certos resíduos ou materiais secundários possibilitam sua aplicação na construção civil de maneira abrangente, em substituição parcial ou total da matéria-prima utilizada como insumo convencional. No entanto, devem ser submetidos a uma avaliação do risco de contaminação ambiental que seu uso poderá ocasionar durante o ciclo de vida do material e após sua destinação final.

Dilma cobra financiamentos de países ricos


Segundo a presidente, os países desenvolvidos devem financiar projetos sustentáveis em países subdesenvolvidos
Da Agência Brasil noticias@band.com.br

presidente da República, Dilma Rousseff, usou seu discurso, na cerimônia de abertura da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, Rio+20, para mandar um recado aos países desenvolvidos que se posicionam contra a criação de um fundo para financiar o desenvolvimento sustentável nas nações mais pobres. Segundo ela, as promessas de financiamento não se materializaram nos “níveis necessários”.

“A transferência das indústrias mais poluentes, do Norte para o Sul do mundo, colocou as economias desenvolvidas no rumo de uma produção tida como mais limpa. Mas deixou pesada a carga e a conta socioambiental para os países em desenvolvimento. A promessa de financiamento do mundo desenvolvido para o mundo em desenvolvimento com vistas à adaptação e à mitigação ainda não se materializou nos níveis prometidos e necessários”, disse a presidente.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Rio + 20

20/06/2012 09:00

Norma facilita certificação de sistemas de gestão ambiental


CNO Rio+20
Diretrizes que orientam empresários para o cumprimento de exigências ambientais será lançada nesta terça-feira no Espaço Sebrae de Educação
Para facilitar a certificação dos Sistemas de Gestão Ambiental (SGA) das micro e pequenas empresas (MPE), o Sebrae e a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) lançam nesta terça-feira (19) a ABNT NBR ISO 14005. A norma orienta os empreendimentos durante o processo de implementação dos requisitos previstos na ABNT NBRISO 14001.

O documento foi lançado no Espaço Sebrae de Educação, localizado no Parque do Flamengo, durante a Rio+20. A elaboração dessa ferramenta, que entrou em vigor em 16 de junho, contou com a participação de empresários apoiados pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas).

A norma 14005 também orienta as empresas a utilizarem indicadores de desempenho ambiental, o que possibilitará a mensuração gradativa dos resultados da implantação do SGA nos empreendimentos.

Apesar de não ser obrigatória, a adesão às normas técnicas traz para as empresas vantagens competitivas no mercado, devido à preferência dos compradores por fornecedores que adotam práticas de gestão ambiental. 

CEMPRE


Em entrevista ao Cempre Informa, Hélder Muteia, representante da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) no Brasil, fala sobre a decisão da Assembleia das Nações Unidas de eleger o cooperativismo como foco em 2012.
Por que a ONU tomou essa decisão?
Foi uma forma de destacar a contribuição das cooperativas para o desenvolvimento socioeconômico da humanidade, principalmente no que diz respeito ao combate à pobreza, à geração de postos de trabalho e à integração social. O mundo terá este ano a oportunidade de constatar quão presentes as cooperativas estão no nosso dia a dia, produzindo bens materiais e serviços de valor inestimável. O mundo poderá também tomar consciência da inquestionável natureza social do ser humano. De que não vivemos de forma isolada. Que nos conectamos em laços múltiplos, incluindo aqueles que nos permitem produzir de forma organizada e coletiva.

Quais os objetivos traçados pela ONU para o ano?
Os objetivos são muitos e se reúnem em três grandes grupos: o primeiro na linha de permitir que o mundo ganhe consciência da importância e contribuição das cooperativas para o desenvolvimento econômico, social e cultural e de como elas podem dar um contributo fundamental para os Objetivos do Milênio; o segundo no sentido de promover a formação e expansão das cooperativas nos diferentes quadrantes da vida das comunidades; o terceiro no intuito de encorajar os governos a adotarem um quadro legal e políticas públicas que favoreçam a criação e as atividades das cooperativas. 

terça-feira, 19 de junho de 2012

MANIFESTO “PIMP MY CARROÇA"

Carroceata percorre ruas de São Paulo

Se São Paulo ainda não se afogou em seus próprios resíduos urbanos recicláveis, é porque há um trabalho quase invisível de cerca de 16 mil pessoas que sobrevivem honestamente da coleta de materiais recicláveis
com suas carroças. E, se existem tantos cidadãos trabalhando nessas condições precárias é porque ainda faltam oportunidades e sobra o descaso do Poder Público com os resíduos sólidos que produzimos.
Hoje na maior cidade da América Latina, São Paulo, são geradas 18 mil toneladas de resíduos diariamente e, segundo dados oficiais, somente 1,2% encaminhado para a reciclagem, ou seja, um dado vergonhoso para uma cidade tão desenvolvida e com tantos recursos disponíveis para investimento em Coleta Seletiva
veja mais

Rio + 20

19/06/2012 11:15

Seminário trata da importância da banda larga para o desenvolvimento econômico e social


CNO Rio+20
 
Evento abre às 15h, no Parque dos Atletas, no Riocentro
O Secretário-Executivo do Ministério das Comunicações, Cezar Alvarez, e o Secretário-Geral da União Internacional de Telecomunicações (UIT), Houlin Zhao, abrirão nesta terça-feira, 19 de junho, às 15 horas, no Rio de Janeiro, o evento conjunto Banda Larga e TICs para sociedades inteligentes, inclusivas e sustentáveis. O seminário reunirá pessoas do setor privado e público para um debate sobre a importância da banda larga para o desenvolvimento econômico e social dos povos.

Participam o Diretor da Qualcomm, Francisco Soares; Gilberto Câmara, do INPE - Instituto Nacional de Pesquisa Espacial; Sebastião Sahão, do CPqD; Francisco Valim, Presidente da OI e Dr. Klaus Leisinger, Diretor da Fundação Novartis; o Presidente da Anatel, João Rezende; o Ministro do Meio Ambiente, Energia e Telecomunicações da Costa Rica, René Castro; o Diretor do Departamento de Banda Larga do Ministério das Comunicações, Arthur Coimbra e o Vice-presidente para mercados emergentes da Microsoft, Orlando Ayala.

Programa Nacional de Banda Larga


O governo brasileiro lançou, em maio de 2010, o Programa Nacional de Banda Larga que prevê várias medidas para ampliar o acesso da população à internet, medidas que vão desde a internet popular com velocidade de 1 Mbps a R$ 35,00 até a construção de um satélite geoestacionário, desoneração de impostos para construção de redes e melhoria do ambiente regulatório para o setor.

Desde o lançamento do PNBL, houve um grande crescimento nas conexões em internet e na telefonia. Recente pesquisa publicada pelo CETIC - Comitê Gestor da Internet no Brasil, mostra que o país está avançando na inclusão digital. Segundo o levantamento, o número de domicílios com acesso à internet aumentou em todas as regiões brasileiras, passando de 27% para 38%, aumento de mais de 40%. Esse foi o maior crescimento registrado na história da internet no país 

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Rio + 20


O Desenvolvimento Sustentável para o combate à pobreza

CNO Rio+20 
Propostas serão levadas a chefes de estados
 Os exemplos de pequenas comunidades baseadas na agricultura de subsistência que venceram a condição de pobreza por meio da adoção de um modelo verde e de inovações tecnológicas foram uma inspiração para os dez palestrantes do debate "O Desenvolvimento Sustentável para o combate à pobreza", na noite de sábado. O tema marcou o encerramento do primeiro dia dos Diálogos para o Desenvolvimento Sustentável, uma série de encontros com representantes da sociedade civil, comunidade acadêmica e científica e setor privado.

Em sua apresentação, o economista indiano Pavan Sukhdev lembrou que 60% das terras do planeta é ocupada por pequenas fazendas e que um terço da população mundial depende da agricultura como meio de vida. Sukhdev afirmou que as inovações tecnológicas podem aumentar o retorno financeiro dos pequenos agricultores em até 80%.

"Existem formas acessíveis de melhorar a produção e tornar as fazendas ecologicamente amigáveis", disse. Diretora de um centro de estudos para políticas sociais, a chinesa Tuan Yang lembrou que o modo de produção sustentável e a adoção de um modelo verde de segurança alimentar pelas cooperativas rurais melhoraram muito as condições de vida em pequenas comunidades de seu país.

O produtor argentino Victor Trucco citou avanços tecnológicos para melhorar o solo e o resultado da produção. "O uso da semeadura não-hostil mudou o paradigma da produção e possibilitou que os agricultores possuam um bom nível de vida através de seus próprios meios", explicou. A equação, lembrou Trucco, possibilitou que se formasse pequenas comunidades urbano-rurais no interior da Argentina, com população em torno de 10 a 15 mil pessoas, com boa gama de serviços, sem aumentar a migração para as metrópoles.

A presidente da Federação Peruana de Trabalhadoras Rurais, Lourdes Atencio, também defendeu a busca de qualidade de vida no campo. "A migração do campo para a cidade não pode ser uma meta, assim como os nossos estudantes e pesquisadores não deveriam sair da faculdade com o intuito exclusivo de ganhar dinheiro, mas de também ajudar os outros", disse, bastante aplaudida.

A ideia de dedicar uma parcela maior de pesquisas para buscar a igualdade e não apenas a competitividade também foi ressaltada pela professora uruguaia Judith Sutz e pela ex-ministra brasileira do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Márcia Lopes.

Com um discurso mais duro, o professor português Boaventura de Sousa Santos lembrou que o mercado não deve ser a única forma do homem de lidar com a natureza. Mais do que a erradicação da pobreza, Boaventura defendeu que a sociedade deveria lutar contra a concentração de renda e desigualdade e pregou uma reforma do sistema político. Já o indiano Manish Bapna, presidente do World Resources International (WRI), citou a Primavera Árabe para reforçar a importância de dar voz e dignidade para os menos favorecidos. Uma relação de boa governança, em sua visão, é crucial para aumentar a participação dos pobres e dar um passo na direção do desenvolvimento sustentável.

Mais do que propor uma solução global, Severn Cullis-Suzuki salientou que é importante respeitar a diversidade encontrada em comunidades espalhadas mundo afora. A ativista canadense lembrou que algumas comunidades não-integradas ao sistema econômico mundial ensinam que é possível viver bem sem grandes ganhos financeiros, uma experiência vivida em primeira mão pelo líder indígena Marcos Terena.

Esgoto é Vida

Site que informa a população sobre os números e benefícios de ter saneamento básico nos municipios, além de vale a pena visitar .

clique aqui

sexta-feira, 15 de junho de 2012


Preservar e incluir: aprendendo na prática
Projetos de universidades federais fazem alunos descobrir na prática os caminhos para o desenvolvimento sustentável
Diversos Chefes de Estado e de Governo vão se reunir nos próximos dias para debater odesenvolvimento sustentável e a economia verde. Essa discussão, no entanto, não se restringirá aos líderes mundiais.

Estudantes universitários federais se uniram a alunos do ensino fundamental e moradores de comunidade para discutir a sustentabilidade na prática. Dentro e fora de sala de aula, os alunosaprenderam a preservar e incluir, organizar projetos e despertar a consciência ambiental dos moradores de suas comunidades.

Os grupos dos Observatórios de Turismo da Universidade de Brasília (UnB), por exemplo, organizaram comitês gestores formados por representantes das cidades de Cavalcante (GO), Cristalina (GO) e Brasília (DF), que foram capacitados para estudar a região e traçar um perfil socioeconômico, cultural e turístico.

“O resultado desses estudos é muito bom. A comunidade acaba percebendo onde é preciso investir, mudar, adaptar. E, como consequência, o turismo recebe mais demandas eprofissionalização”, explicou a coordenadora dos observatórios, professora Elisângela Machado.

O Departamento de Turismo da Universidade Federal do Paraná (UFPR), por sua vez, criou dois projetos: o Educazer, que envolve alunos do ensino fundamental, e o Serração, em que são organizadas oficinas para discutir temas relacionados às potencialidades locais do município de Quatro Barras (PR).

No Rio de Janeiro, o Grupo de Pesquisa e Extensão em Turismo e Inclusão Social (TUris) da Universidade Federal Fluminense (UFF) criou o projeto “Visitas e Viagens Técnicas”. O objetivo é utilizar o turismo como ferramenta de inclusão social e incentivo à conservação ambiental.

São feitas visitas a unidades de conservação como o Parque Nacional da Tijuca, Parque Nacional Itatiaia, Parque Estadual da Serra da Tiririca para que, por exemplo, sejam criadas rotas dentro dos parques sem que a floresta seja colocada em risco ou as dependências do parque sejam pacompanhe a Rio + 20

Lixão de Jardim Gramacho é fechado no Rio de Janeiro


A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, quer que o fechamento do Aterro Metropolitano de Jardim Gramacho, em Duque de Caxias, que recebia o lixo do Rio e da cidade vizinha, seja modelo para todo o País. Citando a meta do Estado do Rio de fechar todos os aterros no entorno da Baía de Guanabara até o fim do ano, a ministra disse que está lançado o "desafio de o Estado do Rio de Janeiro ser o primeiro a cumprir a Política Nacional de Resíduos Sólidos".
A Política Nacional de Resíduos Sólidos foi instituída pela Lei 12.305, de 2010. O objetivo da política é fechar todos os lixões do País até 2014. A ministra definiu o cumprimento do prazo para implantação da política como um "desafio imenso". "O prazo é muito curto, mas é importante que os instrumentos para a concepção desse objetivo sejam consolidados", disse Izabella em encontro com jornalistas durante a cerimônia de encerramento das atividades do aterro de Gramacho, considerado o maior da América Latina.
A ministra também lembrou que a responsabilidade de erradicação dos lixões é dos municípios. O governo federal tem atuado no financiamento de iniciativas locais de adequação à lei."Os Planos Municipais de Resíduos Sólidos são necessários exatamente para a erradicação do lixões. Além disso, até o fim do ano implantaremos, em quatro cadeias, a estrutura de logística reversa", completou Izabella.
Segundo a ministra do Meio Ambiente, ao fechar o aterro e construir o Centro de Tratamento de Resíduos de Seropédica, o Rio dá exemplo, com o município "atuando de maneira global. Não temos nada que vai apequenar a participação da cidade do Rio de Janeiro na Rio+20, como anfitriã", disse Izabella, lembrando que a partir do dia 5 a área do Riocentro estará entregue à ONU.
"A gente passou os últimos 30 e poucos anos cometendo um enorme crime ambiental, que é esse lixão às margens da Baía de Guanabara", disse o prefeito do Rio, Eduardo Paes, que comandou a cerimônia de fechamento do Aterro de Gramacho ao lado da ministra Izabella e do secretário estadual de Meio Ambiente, Carlos Minc. Segundo Paes, a Prefeitura investirá R$ 2 bilhões nos próximos 15 anos em tratamento de lixo. 
fonte: estadão  on line

Globo Mar em Ubatuba


GLOBO MAR EXIBE MARICULTURA DO LITORAL NORTE EM JUNHO

Dias 10 e 11 de abril passado a equipe do programa Globo Mar esteve em visita à Ubatuba para retratar o cotidiano dos pescadores caiçaras locais em sua faina pesqueira.
O roteiro das visitas foi elaborado por Peter Santos Németh que trabalha a quase 10 anos juntos aos pescadores tradicionais do litoral norte de São Paulo e atualmente elabora pesquisa sobre o assunto.
Foram visitadas as comunidades da Praia da Enseada e da Vila de Picinguaba.
Leia Mais

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Começou a Rio + 20


Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, será realizada de 13 a 22 de junho de 2012, na cidade do Rio de Janeiro. A Rio+20 é assim conhecida porque marca os vinte anos de realização da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92) e deverá contribuir para definir a agenda do desenvolvimento sustentável para as próximas décadas.

A proposta brasileira de sediar a Rio+20 foi aprovada pela Assembléia-Geral das Nações Unidas, em sua 64ª Sessão, em 2009.
O objetivo da Conferência é a renovação do compromisso político com o desenvolvimento sustentável, por meio da avaliação do progresso e das lacunas na implementação das decisões adotadas pelas principais cúpulas sobre o assunto e do tratamento de temas novos e emergentes.

Plano Nacional de Desenvolvimento Sustentável e Qualidade de Vida de Venda Nova do Imigrante


A prática teve como principal objetivo reverter a situação de dependência econômica da monocultura do café, que era cultivado sem um padrão mínimo de qualidade e proporcionava o esgotamento dos recursos naturais, o êxodo rural e, conseqüentemente, a exclusão social.

Com ampla participação das associações, conselhos comunitários e a interação articulada pelo Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural – CONDERUR, e com a utilização de recursos do Programa Nacional de Apoio ao Desenvolvimento da Agricultura Familiar – PRONAF, foram traçados os objetivos e estratégias, visando ampliar as opções de trabalho para a população local.
 

terça-feira, 12 de junho de 2012

Maior lixão da América Latina é desativado


Após 34 anos, o maior aterro sanitário da América Latina, o lixão de Gramacho, fechou no último domingo (03), em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. A iniciativa é parte da Política Nacional de Resíduos Sólidos do Governo Federal, que prevê a desativação de todos os depósitos a céu aberto no país até o ano de 2014.
Agora, as cerca de 7 mil toneladas de lixo produzidos diariamente pela cidade do Rio de Janeiro serão despejadas na Central de Tratamento de Resíduos de Seropédica. No novo local, o solo foi triplamente impermeabilizado, o que garantirá destino adequado aos resíduos, sem riscos para o meio ambiente.
O líquido resultante da decomposição, conhecido como chorume será utilizado como água de reuso e o biogás será transformado em energia e convertido em créditos de carbono. O metano produzido pelo chorume é altamente inflamável e será utilizado para a geração de energia. Este gás é um dos principais poluentes, 21 vezes mais nocivo do que o dióxido de carbono.
leia mais

O Brasil na Rio + 20


Governo brasileiro organizará os Diálogos para o Desenvolvimento Sustentável de 16 a 19 de junho - Nota 003/2012



O Governo brasileiro está organizando, com o apoio das Nações Unidas, os Diálogos para o Desenvolvimento Sustentável, um espaço para a sociedade civil, que terá lugar no Riocentro, entre 16 e 19 de junho, no contexto da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável - Rio+20. 

Nos quatro dias que antecedem o Segmento de Alto Nível, destacados representantes da sociedade civil, incluindo setor privado, ONGs, comunidade científica, entre outros, estarão reunidos no mesmo local da Conferência Rio+20 para uma discussão franca e orientada à ação sobre temas prioritários relacionados ao desenvolvimento sustentável. Não haverá participação de governos ou agências das Nações Unidas. As recomendações que resultarem dos Diálogos serão levadas diretamente aos Chefes de Estado e de Governo presentes na Cúpula. 

Serão debatidos dez temas, escolhidos de acordo com sua relevância para o aprofundamento da discussão sobre desenvolvimento sustentável, a saber: (1) Desenvolvimento Sustentável para o combate à pobreza; (2) Desenvolvimento Sustentável como resposta às crises econômicas e financeiras; (3) Desemprego, trabalho decente e migrações; (4) A economia do Desenvolvimento Sustentável, incluindo padrões sustentáveis de produção e consumo; (5) Florestas; (6) Segurança alimentar e nutricional; (7) Energia sustentável para todos; (8) Água; (9) Cidades sustentáveis e inovação; e (10) Oceanos. Todos os debates serão transmitidos ao vivo no website das Nações Unidas. 

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Recicloteca.

Site que da varias dicas de como reciclar seu lixo, além de muitas ideias de  arte com os materiais que manos se esperam, muito legal

visite o site da Recicloteca

Grandes Ideias devem ser divulgadas


Vale a pena visitar esse site, dicas super legal de como construir sua casa 100% ecológica.



CONSTRUA SUA CASA COM GARRAFAS PET

Garrafas PET podem substituir os tijolos na contrução de moradias? É possível construir desde um muro até a casa toda utilizando garrafas PET ao invés de tijolos.
O custo de uma obra feita com garrafas PET é inferior ao custo de uma obra convencional?
Observe como estas casas foram feitas,o uso de cimento e ferro é muito superior a um projeto convencional, além da mão de obra na preparação das garrafas,que torna o tempo de execução muito longo.
Com uma estrutura como esta das fotos, é possível construir paredes até de papel!
veja mais fotos

quarta-feira, 6 de junho de 2012



ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE SÃO PAULO
FRENTE PARLAMENTAR DA COLETA SELETIVA

COMUNICADO ÀS PREFEITURAS DO ESTADO DE SÃO PAULO
MUNICÍPIOS TÊM ATÉ 2 DE AGOSTO PARA ELABORAR PLANOS E NÃO PERDER RECURSOS DA UNIÃO PARA TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS
A Frente Parlamentar da Coleta Seletiva, coordenada na Assembleia Legislativa de São Paulo pelo deputado estadual João Antonio (PT), comunica aos gestores municipais o prazo estabelecido pela legislação federal para a apresentação de Planos de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos. De acordo com o previsto na Lei 12.305/2010, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos, os municípios têm até o dia 2 de agosto de 2012 para apresentar os referidos planos e, com isso, obter recursos federais para aplicar no tratamento de resíduos sólidos.
A Coordenação da Frente Parlamentar da Coleta Seletiva reforça a importância da elaboração e entrega dos Planos de Gestão para garantir os recursos federais que deverão ser usados na melhoria do atendimento ambiental dos municípios.
Portanto, o município que não apresentar o plano perderá recursos valiosos e acabará deixando sua cidade com menos dinheiro para melhorar a qualidade de vida dos seus cidadãos e cidadãs.
Vamos ficar atentos aos prazos!
OBJETIVOS DA FRENTE PARLAMENTAR
DA COLETA SELETIVA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA
Trabalhar como fórum político para discutir ações de Estado para ampliar os programas de coleta seletiva em todo o Estado de São Paulo; • Compilar dados, produzir e divulgar estudos, elaborar documentos, promover debates com a sociedade, entidades, especialistas e estudiosos do tema como forma de subsidiar a implementação de políticas públicas de coleta seletiva; • Divulgar ações de prefeituras, entidades da sociedade civil, empresas e de grupos de trabalho voltadas para a ampliação da coleta seletiva; • Cobrar providências e ações dos órgãos de Estado acerca de denúncias envolvendo práticas – de agentes públicos, do setor privados ou individuais - que prejudiquem a boa gestão dos resíduos sólidos em território paulista; • Visitar cidades em todas as regiões do Estado para ampliar a divulgação do trabalho parlamentar de apoio à coleta seletiva nos 645 municípios do Estado de São Paulo.
CONTATOS DA FRENTE PARLAMENTAR DA COLETA SELETIVA
(11) 3886-6886 (Severino – Kabelo)
DEPUTADO ESTADUAL JOÃO ANTONIO
 (11) 3886-6886 – (11) 3887-6342 (FAX) – CEP 04097-900
Assessoria de Imprensa: Djair Galvão – djairgalvao@gmail.com  - (11) 8440-6001


Reciclagem de Latas

 O ciclo de dois meses ilustrado, curiosidades e informações sobre op processo de reciclagem das latas de alumínio
A reciclagem de latas de alumínio é dividida em dez etapas. O alumínio não se degrada durante o processo e poder ser usada para o mesmo fim, ao contrário das garrafas plásticas, que depois de recicladas não podem guardar alimentos. 
O seu valor residual é alto, mais nobre do que o de outros materiais reutilizáveis, tornando-se uma fonte de renda para os seus coletores. Para se ter uma idéia desse valor, a sucata de latas de alumínio vale atualmente 33 vezes mais do que as de aço e 55 vezes mais que as garrafas de vidro. Desde a produção da latinha na fábrica até a sua volta aos centros de reciclagem, o tempo é de dois meses.

Acompanhe um gráfico ilustrado com o processo de reciclagem das latas de alumínio:


entenda mais

terça-feira, 5 de junho de 2012

Logística reversa é uma das saídas para a preservação do meio ambiente

Logística de reaproveitamento como elemento da política ambiental. Este é o tema da mesa redonda programada para o dia 3 de junho na Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP) em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente. 

O intuito do evento é debater a Logística Reversa, expor exemplos de sucesso, inclusive no agronegócio, a fim de conhecer como as instituições públicas e privadas têm tratado suas “logísticas reversas” perante ao meio ambiente. 

De acordo com o pesquisador da Embrapa Meio Ambiente e também organizador do evento, Alfredo José Barreto Luiz, a Logística Reversa é uma das ações que podem ser adotadas pelas empresas para assumir uma posição socialmente responsável e ecologicamente correta e que pode trazer benefícios intangíveis, como o reconhecimento da sociedade, e também retornos financeiros e operacionais.


leia mais

O Dia Mundial do Meio Ambiente completa 40 anos


Acredite se quiser, o Dia Mundial do Meio Ambiente completa 40 anos em 2012. Desde que o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) foi criado em 1972, o Dia Mundial do Meio Ambiente tem sido celebrado todos os anos. Em 2012, o Dia Mundial do Meio Ambiente recordará algumas dos temas e celebrações passados mais memoráveis.
Este será um ano instigante e queremos convidá-lo a celebrar conosco. Queremos reunir fotos, vídeos e histórias que marquem os principais eventos, negociações e experiências relacionadas ao PNUMA nas últimas quatro décadas.
Onde você estava em 1972? Se isso é longe demais, nos conte onde você estava em 82, 92 ou 2002 e também onde você quer que o mundo esteja em 2012.  
Pretendemos publicar um livro dos "marcos" dos principais acontecimentos ambientais nessas quatro décadas. Portanto, compartilhe suas lembranças, elas podem tornar-se parte do livro.


segunda-feira, 4 de junho de 2012

China na Rota do desenvolvimento sustentável



Terceiro maior país do planeta, com extensão territorial de 9.596.961 quilômetros quadrados, e o mais populoso (1,3 bilhão de habitantes), a China é considerada uma das grandes potências econômicas da atualidade. Esse país já detém o terceiro maior Produto Interno Bruto (PIB), atrás somente do Japão e dos Estados Unidos.
Esse rápido crescimento econômico necessita de grande demanda de energia e recursos naturais, atualmente (2010) a China consome cerca de 14% da energia mundial. O país possui uma das maiores reservas de carvão, que é responsável por fornecer 70% da energia nacional. Porém, essa fonte é altamente poluidora, fato que faz da China um dos maiores responsáveis pela poluição atmosférica. De acordo com dados do Banco Mundial, a nação abriga 20 das 30 cidades mais poluídas do planeta.
Visando diversificar sua matriz energética e reduzir a dependência de fontes de origem fóssil, sobretudo do carvão e do petróleo, que é um dos grandes produtos de importação, a China tem desenvolvido tecnologia para a obtenção de energia renovável, com destaque para a energia solar e eólica (ventos).
O país já é o líder mundial na fabricação de células fotovoltaicas, que são utilizadas para a obtenção de energia solar. A China também é a maior produtora de turbinas eólicas, ultrapassando os Estados Unidos, Japão e Austrália, que foram os pioneiros no desenvolvimento dessas tecnologias.




Dia do Meio Ambiente


No dia 05 de junho comemora-se o dia do meio ambiente.
A criação da data foi em 1972, em virtude de um encontro promovido pela ONU (Organização das Nações Unidas), a fim de tratar de assuntos ambientais, que englobam o planeta, mais conhecido como conferência das Nações Unidas.
A conferência reuniu 113 países, além de 250 organizações não governamentais, em que a pauta principal abordava a degradação que o homem tem causado ao meio ambiente e os riscos para sua sobrevivência, de tal modo que a diversidade biológica deveria ser preservada acima de qualquer possibilidade.

Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia
 

domingo, 3 de junho de 2012

Para Reflexão


Na fila do supermercado, o caixa diz a uma senhora idosa:

- A senhora deveria trazer suas próprias sacolas para as compras, uma
vez que sacos plásticos não são amigáveis ao meio ambiente.

A senhora pediu desculpas e disse:

- Não havia essa onda verde no meu tempo.

O empregado respondeu:

- Esse é exatamente o nosso problema hoje, minha senhora. Sua geração não se preocupou o suficiente com nosso meio ambiente.

- Você está certo - responde a velha senhora - nossa geração não se
preocupou adequadamente com o meio ambiente. Naquela época, as
garrafas de leite, garrafas de refrigerante e cerveja eram devolvidos
à loja. A loja mandava de volta para a fábrica, onde eram lavadas e
esterilizadas antes de cada reuso, e eles, os fabricantes de bebidas,
usavam as garrafas, umas tantas outras vezes.

Realmente não nos preocupamos com o meio ambiente no nosso tempo.
Subíamos as escadas, porque não havia escadas rolantes nas lojas e nos escritórios. Caminhávamos até o comércio, ao invés de usar o nosso carro de 300 cavalos de potência a cada vez que precisamos ir a dois quarteirões.

Mas você está certo. Nós não nos preocupávamos com o meio ambiente.
Até então, as fraldas de bebês eram lavadas, porque não havia fraldas
descartáveis. Roupas secas: a secagem era feita por nós mesmos, não
nestas máquinas bamboleantes de 220 volts. A energia solar e eólica é
que realmente secavam nossas roupas. Os meninos pequenos usavam as roupas que tinham sido de seus irmãos mais velhos, e não roupas sempre novas.

Mas é verdade: não havia preocupação com o meio ambiente, naqueles dias. Naquela época só tínhamos somente uma TV ou rádio em casa, e não uma TV em cada quarto. E a TV tinha uma tela do tamanho de um lenço,não um telão do tamanho de um estádio, que depois será descartado como?

Na cozinha, tínhamos que bater tudo com as mãos, porque não havia
máquinas elétricas, que fazem tudo por nós. Quando embalávamos algo um pouco frágil para o correio, usávamos jornal amassado para protegê-lo, não plástico bolha ou pellets de plástico que duram cinco séculos para começar a degradar. Naqueles tempos não se usava um motor a gasolina apenas para cortar a grama, era utilizado um cortador de grama que exigia músculos. O exercício era extraordinário, e não precisava ir a uma academia e usar esteiras que também funcionam a eletricidade.

Mas você tem razão: não havia naquela época preocupação com o meio ambiente. Bebíamos diretamente da fonte, quando estávamos com sede, em vez de usar copos plásticos e garrafas pet que agora lotam os oceanos.
Canetas: recarregávamos com tinta umas tantas vezes ao invés de
comprar uma outra. Abandonamos as navalhas, ao invés de jogar fora
todos os aparelhos 'descartáveis' e poluentes só porque a lámina ficou
sem corte.

Na verdade, tivemos uma onda verde naquela época. Naqueles dias, as
pessoas tomavam o bonde ou ônibus e os meninos iam em suas bicicletas ou a pé para a escola, ao invés de usar a mãe como um serviço de táxi 24 horas. Tínhamos só uma tomada em cada quarto, e não um quadro de tomadas em cada parede para alimentar uma dúzia de aparelhos. E nós não precisávamos de um GPS para receber sinais de satélites a milhas de distância no espaço, só para encontrar a pizzaria mais próxima.

Então, não é risível que a atual geração fale tanto em meio ambiente,
mas não quer abrir mão de nada e não pensa em viver um pouco como na minha época?

Postado Por : João Antonio Deputado Estadual
Autor Desconhecido

sábado, 2 de junho de 2012

Decomposição de materiais


A poluição constante das águas do rio, do solo e do ar está causando muitos efeitos nocivos à nossa saúde e ao meio Ambiente. Muitos materiais podem ser reaproveitados. O plástico, vidro, papel e metais, podem ser reciclados e transformados em produtos novos, com um custo bem mais baixo ao consumidor.
Por isso, prefira sempre adquirir produtos em embalagens recicláveis. Elas economizam energia elétrica, poluem menos e utilizam menos recursos naturais não renováveis para a sua fabricação. Veja a seguir o tempo que cada material leva para se decompor:

veja a tabela completa ..clique aqui

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Coleta Seletiva


Definição

Coleta seletiva de lixo é um processo que consiste na separação e recolhimento dos resíduos descartados por empresas e pessoas. Desta forma, os materiais que podem ser reciclados são separados do lixo orgânico (restos de carne, frutas, verduras e outros alimentos). Este último tipo de lixo é descartado em aterros sanitários ou usado para a fabricação de adubos orgânicos.
No sistema de coleta seletiva, os materiais recicláveis são separados em: papéis, plásticos, metais e vidros. Existem indústrias que reutilizam estes materiais para a fabricação de matéria-prima ou até mesmo de outros produtos.
Pilhas e baterias também são separadas, pois quando descartadas no meio ambiente provocam contaminação do solo. Embora não possam ser reutilizados, estes materiais ganham um destino apropriado para não gerarem a poluição do meio ambiente. 
Os lixos hospitalares também merecem um tratamento especial, pois costumam estar infectados com grande quantidade de vírus e bactérias. Desta forma, são retirados dos hospitais de forma específica (com procedimentos seguros) e levados para a incineração em locais especiais.
A coleta seletiva de lixo é de extrema importância para a sociedade. Além de gerar renda para milhões de pessoas e economia para as empresa, também significa uma grande vantagem para o meio ambiente uma vez que diminui a poluição dos solos e rios. Este tipo de coleta é de extrema importância para o desenvolvimento sustentável do planeta. 

pesquise mais